Sábado, 19 de Julho de 2008

A Arte da Antiguidade - Arte Egípcia (Continuação)

 


 

ÉPOCA BAIXA

 

- 730-343 a.C.;

- A XXVI dinastia conseguiu reunificar o Egipto mais uma vez, dando início à Época Baixa que se desenrola até à XXX dinastia, embora a presença de povos estrangeiros, como líbios, núbios e persas, seja constante neste período.

 

- Durante esta época, o centro do poder real vai localizar-se na região do Delta, onde se encontram as capitais das várias dinastias, como Sais, Mendes e Sebenitos. São nestas cidades que se ordenam os grandes trabalhos arquitectónicos.

- Na escultura denota-se um arcaísmo, uma inspiração nos modelos da época do Império Antigo. Na XXVI dinastia nota-se igualmente o apuro na polidez da pedra, dando origem a trabalhos que alguns autores denominam como "arte lambida" e destacam-se as esculturas em bronze, de grande suavidade e brandura na modelagem, com tendência para formas torneadas.

 

 

EGIPTO PTOLEMAICO

 

Em 343 a.C. o Egipto assiste ao segundo período de dominação persa que termina em 332 a.C., quando Alexandre Magno conquista o Egipto. Após a sua morte é fundada no país das Duas Terras, por um dos seus generais, Ptolemeu I, uma dinastia que governará o país até à conquista romana de 30 a.C.

Apesar da sua origem macedónia, a dinastia ptolemaica adoptou as formas artísticas dos Egípcios. Os reis ptolemaicos foram representados nos templos como os antigos faraós. Muitas das obras deste período adquirem uma forte influência da harmonia helenística dos gregos.

 

Templo de Philae

 

 

 

 

Templo de Hórus

Publicado Por Cíntia Pontes às 01:32
Link do Post | Comentar | Adicionar Aos Favoritos '
|
Sexta-feira, 4 de Julho de 2008

A Arte da Antiguidade - Arte Egípcia (Continuação)

 


 

NOVO IMPÉRIO

O Novo Império (1570 - 715 a.C.) começou com a XVIII dinastia e foi uam época de grande poder, riqueza e influência. Deu-se novamente a unificação do Egipto e a arte volta a ter mais uma das suas épocas de ouro, com um novo começo em que se vão reavivar as tradições do passado e em que as forças criadoras vão erguer vários edifícios de pedra de construção arrojada e que ainda hoje podem ser admirados.

 

- Arquitectura - Quase todos os faraós desta época se preocuparam em ampliar e enriquecer o conjunto de templos de Karnak (figuras em baixo), centro de culto a Amon, ao qual quase todos os monarcas acrescentaram pilones (porta monumental flanqueada por duas torres trapezoidais), que assim se converteu num dos mais impressionantes complexos religiosos da História. A partir da época do Novo Império os templos egípcios começam a seguir uma estrutura clássica. Possuíam um caminho decorado com esfinges, o "dromos", que partia do rio Nilo; antes de se atingir o pilone, várias estátuas colossais do rei ou de deuses, bem como obeliscos, antecediam a porta monumental. Atravessando o pilone encontrava-se um pátio, que era a parte pública do templo egípcio. Ao contrário dos locais de culto das religiões actuais, um templo egípcio só era acessível ao faraó e aos sacerdotes. O pátio era a única zona a que o povo podia aceder mas, mesmo assim, apenas em datas especiais.

 


 

Neste período destacam-se ainda o Templo de Luxor e e o Templo da Rainha Hatshepsut.

Templo da Rainha Hatshepsut

 

     Templo de Luxor

  

 - A escultura alcançou uma nova dimensão e surgiu um estilo cortesão, no qual se combinavam perfeitamente a elegância e a atenção aos pormenores mais delicados; a imobilidade tradicional da arte egípcia desapareceu, as esculturas ganham um maior realismo e naturalismo nas atitudes e nas posições.

 

                                                                                        Busto da Rainha Nefertiti

 

Busto de uma das filhas de Akhenaton         

 

- A pintura predominou na decoração dos túmulos privados. A necrópole de Tebas é uma rica fonte de informação sobre a lenta evolução da tradição artística e das magníficas ilustrações sobre a vida daquela época. Neste período deu-se o pico da pintura e do relevo e a literatura abandonou o pessimismo voltando-se para o relato ligeiro de histórias mitológicas, fábulas, épicos de guerra e também para a poesia romântica. 

- As artes decorativas, a pintura e a escultura atingiram as mais elevadas etapas de perfeição e beleza. Os objectos de uso quotidiano, utilizados pela corte real e pela nobreza, foram maravilhosamente desenhados e elaborados com grande destreza técnica.

Peitoral egípcio encontrado no túmulo de Tutankhamen

 

 

 

TERCEIRO PERÍODO INTERMEDIÁRIO

- O Terceiro Período Intermediário, época que compreende cerca de trezentos e cinquenta anos e que corresponde à XXI até à XIV dinastias, vai continuar no essencial a arte desenvolvida no Império Novo. É marcado pela progressiva desagregação do poder faraónico, sendo os últimos soberanos da XX dinastia meros reis fantoches.

- Neste período destaca-se a perfeição alcançada no trabalho dos metais, que se detecta em trabalhos como as máscaras funerárias de vários reis.

           

    Pendente em ouro de Osorkon II                            Adoradora divina de Amon Karomam (bronze)

 

Publicado Por Cíntia Pontes às 19:22
Link do Post | Comentar | Adicionar Aos Favoritos '
|
Sábado, 28 de Junho de 2008

A Arte da Antiguidade - Arte Egípcia (Continuação)

 


 

MÉDIO IMPÉRIO

 

Após o período de decadência do poder central e de instabilidade política do Primeiro Período Intermediário (e que se reflectiu na arte com o abandono dos cânones estabelecidos) inicia-se o Império Médio ( 2134 - 1782 a.C.) que corresponde à XI e XII dinastias.

 

- Mentuhotep II foi o primeiro Faraó do novo Egipto unficado do Médio Império. Criou um novo tipo de monumento arquitectónico funerário, com influências da arte do Antigo Império.

Mandou construir na região de Tebas Ocidental, o seu complexo funerário, como um templo no vale ligado por um longo caminho real a outro templo que se encontrava instalado na encosta da montanha. Formado por uma mastaba coroada por uma pirâmide e rodeado de pórticos em dois níveis, os muros foram decorados com relevos que representavam o Faraó na companhia dos Deuses.

- Na escultura, a expressão humana ganha uma maior dimensão, passando-se a representar nas estátuas reais o envelhecimento;

 

- A representação bidimensional perde a sua dependência dos cânones adoptando uma maior naturalidade e até noções de profundidade tridimensional. Nesta época criam-se esfinges reais nas quais o rosto do monarca surge emoldurado por uma juba.

- A pintura egípcia do Médio Império manifestou-se em túmulos de governadores nomos, onde recriou cenas de caça, pesca, banquetes ou danças. Seguindo a tradição do Antigo Império, o dono do túmulo surge representado em tamanho superior às outras personagens. A pintura é realizada sobre estuque e relevo. 

Como em todos os outros períodos foi essencialmente simbólica e seguiu rígidos padrões de representação, como a lei da frontalidade (os olhos, ombros e peito representam-se vistos de frente; a cabeça e as pernas representam-se vistos de lado); as áreas espaciais são bem definidas e o tamanho e posição  das figuras no espaço são estipuladas segundo regras hierárquicas; os traços são estilizados e rígidos, as formas bidimensionais (ausência de volume) e a cor é aplicada plana (sem modelado) e em manchas uniformes.

 

 

- As artes decorativas conhecem uma das épocas mais importantes, sobretudo no que diz respeito aos trabalhos de joalharia, que usavam metais preciososo e incrustações de pedras coloridas. Os amuletos, os pentes, os espelhos, as caixas e as candeiais caracterizam-se pela sua beleza. São bastante conhecidos os pequenos hipopótamos em faiança decorados com motivos vegetais. Neste período aparece a técnica do granulado e o barro vidrado alcançou grande importância na elaboração de amuletos e pequenas figuras.

 

 

SEGUNDO PERÍODO INTERMEDIÁRIO

- 1782 - 1570 a.C.;

- Este é mais um período escuro e de inseguridade do qual pouco se sabe e no qual se desenvolveu a matemática, a medicina e a cópia de papiros de épocas anteriores.

 

Publicado Por Cíntia Pontes às 21:59
Link do Post | Comentar | Adicionar Aos Favoritos '
|
Segunda-feira, 23 de Junho de 2008

A Arte da Antiguidade - Arte Egípcia

 


A arte Egípcia refere-se a toda a arte desenvolvida e aplicada pela civilização do Antigo Egipto, localizada no Vale do Rio Nilo, no Norte de África. Esta manifestação artística teve a sua supremacia na região durante um longo período de tempo, estendendo-se aproximadamente pelos últimos 3000 anos antes de Cristo e demarcando diferentes épocas que auxiliam na clarificação das diferentes variedades estilísticas adoptadas: Período Arcaico ou Tinita, Antigo Império, Médio Império, Novo Império e Época Baixa e vários períodos intermédios, mais ou menos curtos, que separam as grandes épocas, e que se pautam pela turbulência e obscuridade, tanto social e política como artística. Apesar destes diferentes momentos da história, a verdade é que incutem somente pequenas nuances na manifestação artística que, de um modo geral, segue sempre uma vincada continuidade e homogeneidade.

 

- Serviu principalmente objectivos políticos e religiosos;

- Representa, exalta e homenageia constantemente o faraó (soberano absoluto, representante de Deus na Terra) e as diversas divindades da mitologia egípcia, sendo aplicada principalmente a peças ou espaços relacionados com o culto dos mortos, isto porque a transição da vida à morte é vista, antecipada e preparada como um momento de passagem da vida terrena à vida após a morte, à vida eterna e suprema. O faraó é imortal e todos seus familiares e altos representantes da sociedade têm o privilégio de poder também ter acesso à outra vida. Os túmulos são, por isso, um dos marcos mais representativos da arte egípcia, lá são depositados as múmias ou estátuas (corpo físico que acolhe posteriormente a alma (ka) e todos os bens físicos do quotidiano que lhe serão necessários à existência após a morte;

- É profundamente simbólica. Todas as representações estão repletas de significados que ajudam a caracterizar as figuras, a estabelecer níveis hierárquicos e a descrever situações. Do mesmo modo a simbologia serve à estruturação, à simplificação e clarificação da mensagem transmitida criando um forte sentido de ordem e racionalidade extremamente importantes;

- A harmonia e o equilíbrio devem ser mantidos, qualquer perturbação neste sistema é, consequentemente, um distúrbio na vida após a morte. Para atingir este objetivo de harmonia são utilizadas linhas simples, formas estilizadas e simplificadas, níveis rectilíneos de estruturação de espaços, manchas de cores uniformes que transmitem limpidez e às quais se atribuem significados próprios:

  • Preto (kem) - obtido a partir do carvão de madeira ou de pirolusite (óxido de manganésio do deserto do Sinai); associado à noite e à morte, mas também à fertilidade e à regeneração; era utilizado nas sobrancelhas, perucas, olhos e bocas. O deus Osíris era muitas vezes representado com a pele negra, assim como a rainha deificada Ahmés-Nefertari;
  • Branco (hedj) - obtido a partir da cal ou do gesso; cor da pureza e da verdade; era utilizado nas vestes dos sacerdotes e nos objectos rituais. As casas, as flores e os templos eram também pintados a branco;
  • Vermelho (decher) - produzido a partir de ocres; o seu significado é ambivalente: por um lado representa a energia, o poder e a sexualidade, por outro lado está associado ao maléfico deus Set, cujos olhos e cabelo eram pintados a vermelho, bem como ao deserto, local que os Egípcios evitavam; era a vermelho que se pintava a pele dos homens;
  • Amarelo (ketj) – obtido a partir do óxido de ferro hidratado (limonite); dado que o sol e o ouro eram amarelos, os Egípcios associaram esta cor à eternidade; as estátuas dos deuses eram feitas a ouro, assim como os objectos funerários do faraó, as máscaras por exemplo;
  • Verde (uadj) - produzido a partir da malaquite do Sinai; simboliza a regeneração e a vida; a pele do deus Osíris poderia ser também pintada a verde;
  • Azul (khesebedj) - obtido a partir da azurite (carbonato de cobre) ou do óxido de cobalto; associado ao rio Nilo e ao céu.

- A hierarquia social e religiosa traduz-se, na representação artística, na atribuição de diferentes tamanhos ás diferentes personagens, consoante a sua importância. Por exemplo, o faraó será sempre a maior figura numa representação bidimensional e a que possui estátuas e espaços arquitectónicos monumentais. Reforça-se assim o sentido simbólico, em que não é a noção de perspectiva (dos diferentes níveis de profundidade física), mas o poder e a importância que determinam a dimensão;

 - Embora a arte egípcia seja estilizada é também uma arte de atenção ao pormenor, de detalhe realista, que tenta apresentar o aspecto mais revelador de determinada entidade, embora com restritosângulos de visão. Para esta representação usaram apenas três pontos de vista pela parte do observador: de frente, de perfil e de cima, que cunham o estilo de uma forte componente estática, de uma imobilidade solene.
O corpo humano, sobretudo o de figuras importantes, é representado utilizando dois pontos de vista simultâneos, que oferecem maior informação e favorecem a dignidade da personagem: os olhos, os ombros e o peito representam-se vistos de frente e a cabeça e as pernas representam-se vistos de lado - Lei da Frontalidade.

 

O facto de, ao longo de tanto tempo, a arte egípcia pouco ter variado e se terem verficado poucas inovações, deve-se aos rígidos cânones a que os artistas tinham de obedecer e que, de certo modo, impunham barreiras ao espírito criativo individual.
A conjugação de todos estes elementos marca uma arte robusta, sólida, solene, criada para a eternidade.

 

 

 

 

PERIODO ARCAICO OU TINITA

 

- Até 2686 a.C.;

- Durante este período e após a descoberta da escrita, o Egipto já está unido e o seu desenvolvimento artístico acelera, estabelecendo os traços princípais e característicos da arte egípcia;

- Abandono do primitivismo formal;

- Algumas influências da arte mesopotâmica, especialmente nas fachadas de templos;

- Uso do adobe cozido ao Sol, substituído no final do período pela pedra.

 

Pirâmide de Djoser

 

 

Escultura do período Arcaico


 

 

ANTIGO IMPÉRIO

 

- 2686 - 2181 a.C.;

- A III Dinastia é remetida por muitos historiadores para o início do Antigo Império. Com a transição para a pedra surge também a arquitectura monumental e a vincada noção egípcia de eternidade vinculada ao faraó;

- A mastaba (capela com forma de um tronco de pirâmide) assume-se como o túmulo para particulares por excelência, inicialmente em forma quadrangular ou de pirâmide truncada (mais tarde pirâmide de degraus);

- A edificação assume um objectivo simbólico;

- Com o Império Antigo estabelece-se a calma e a segurança, bases ao próspero e veloz desenvolvimento da sociedade egípcia onde se estabelecem hierarquias governamentais;

- Durante a IV Dinastia edificam-se o monumental conjunto arquitectónico de Gizé (pirâmides de Quéfren, Quéops e Miquerinos) que fascinam pela sua impressionante construção; constrói-se a Esfinge (corpo de leão e cabeça humana, especialmente a de um Faraó), com dimensões gigantescas, que visa homenagear o poder do Faraó;

- Na V Dinastia as dimensões monumentais da arquitectura são reduzidas á escala humana.

 

Grande pirâmide de Gizé

 

Pirâmide de Quéops

 

 

Esfinge de Gizé com a pirâmide de Quéfren atrás

 

 

- Na escultura definiram-se duas tipologias de concepção: a estatuária real, onde se verifica um desejo de imponência; e a estatuária de particulares, com maior realismo e naturalismo;

 - As proporções do corpo humano tornam-se mais harmoniosas e equilibradas, e existe uma maior atenção ao pormenor;

- Caracteriza-se pelo estilo hierático (as figuras mais importantes tem maior altura do que as menos importantes), a rigidez, as formas cúbicas e a frontalidade;

- Gosto pelas estátuas-retrato de grande robustez pelo seu volume cúbico e imobilidade;

- As figuras apresentam-se de pé (com a perna esquerda ligeiramente à frente) ou sentadas (na V Dinastia surge a posição do escriva sentado de pernas cruzadas) e denota-se a diferente coloração da pele usada nas figuras masculinas (mais escura) e nas femininas (mais clara);

 

         

 

- Na decoração tumular propagam-se as representações realistas do quotidiano;

- Os materiais utilizados foram: dionte, granito, xisto, basalto, calcário e alabastro.

 

Tríade de Menkauré

 

 

- A escultura em relevo serviu dois propósitos fundamentais: glorificar o faraó (feita nos muros dos templos) e preparar o espírito dos defuntos, no seu caminho até á eternidade (feita nos túmulos).

 

 

 

- Na cerâmica, as peças ricamente decoradas do período arcaico foram substituídas por belas peças não decoradas, de superfície polida e com grande variedade de formas e modelos, destinadas a servir de objectos de uso quotidiano. Já as jóias eram feitas em ouro e pedras semipreciosas, com formas e desenhos inspirados na fauna e na flora.

 

 

PRIMEIRO PERÍODO INTERMEDIÁRIO

 

- 2181 - 2040 a.C.;

- Os tempos políticos conturbados reflectem-se também na arte tornando-a quase inextistente e com uma maior incidência nos textos literários, que expressam a revolução espiritual da época. Através das pilhagens de túmulos, a arte restrita aos faraós e figuras de maior importância passa para a mão do homem “mortal” que acredita ter o mesmo privilégio da vida eterna.

 

 

 

 

Publicado Por Cíntia Pontes às 17:32
Link do Post | Comentar | Adicionar Aos Favoritos '
|

« Mais sobre mim '

« Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

« Pesquise neste Blog '

« Posts Recentes '

« A Arte da Antiguidade - A...

« A Arte da Antiguidade - A...

« A Arte da Antiguidade - A...

« A Arte da Antiguidade - A...

« Arquivo '

« Março 2009

« Fevereiro 2009

« Janeiro 2009

« Dezembro 2008

« Novembro 2008

« Outubro 2008

« Setembro 2008

« Agosto 2008

« Julho 2008

« Junho 2008

« Maio 2008

« Abril 2008

« Março 2008

« tags

« todas as tags