Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2009

ACONTECIMENTO - A coroação de Carlos Magno (25 de Dezembro de 800)

 

 

Carlos I, nascido em 742, filho mais velho de Pepino, subiu ao trono franco em 768, após a morte deste. Neste tempo a Europa ainda era uma região inóspita e instável, repartida em varias unidades politicas bárbaras.

Segundo Enginardo, biógrafo e contemporâneo do imperador, Carlos Magno "dava, exterioremente, quer sentado quer de pé, uma forte impressão de autoridade e de dignidade (...) Falava com abundância e facilidade, sabia exprimir tudo o que queria com grande clareza. Aplicou-se ao estudo das línguas estrangeiras e aprendeu tão bem o latim que se exprimia indiferentemente nesta língua ou na língua materna."

 

Graças ás qualidades como militar e governante de Carlos Magno, o Ocidente conheceu  a sua primeira época de estabilidade e ordem, após as grandes invasões. Teve grande êxito nas suas expedições militares devido á superioridade da cavalaria que era a arma mais forte dos seus exércitos.

Preocupou-se também com a administração dos territórios que dividiu em condados (geridos por condes e vigiados pelos missi dominici) e restaurou as letras e as artes, ao rodear-se de sábios e estudiosos e incentivando os seus trabalhos.

Executou ainda reformas na educação que ajudaram a preparar o caminho para o Renascimento do século XII.

Nas suas campanhas fez-se acompanhar por missionários e pregadores, procedendo assim à conversão forçada ao catolicismo, dos povos conquistados, massacrando os que se recusavam a converter. Desta maneira deu um aspecto de cruzada a favor da Igreja ás suas lutas. Assim alargou consideravelmente o horizonte da sua influência espiritual.

Em Dezembro de 800, Carlos foi largamente recompensado pela Igreja, ao receber a coroa de imperador do Ocidente. Este acontecimento revestiu-se de grande importância politica visto que concedeu a Carlos Magno a qualidade de legitimo herdeiro dos imperadores romanos; restabeleceu o Império Romano do Ocidente, transferindo a dignidade imperial para o rei dos Francos; unificou o Ocidente sob o mesmo poder político e também o mesmo poder espiritual - o do Cristianismo e dos papas de Roma.

Faleceu em 814, em Aix-la-Chapelle.

 

 

 

 

O significado histórico da coroação de Carlos Magno:

 

"O restabelecimento do Império [o Romano] no Ocidente parece ter sido ideia do Pontífice [Papa Leão III] e não do carolíngio [Carlos Magno]. (...) Mas em 799 o Papa Leão III viu uma tripla vantagem em dar a Carlos Magno a coroa imperial. Preso e perseguido pelos seus inimigos de Roma, necessitava de ver a sua autonomia restaurada, de facto e de direito, por alguém cuja autoridade a todas se impusesse sem contenstação: por um imperador.

Chefe de um Estado temporal, o património de S. Pedro, queria que o reconhecimento dessa soberania temporal fosse confirmado por um rei superior a todos os outros - tanto no título como nos factos. Finalmente, tanto ele como uma parte do clero romano pensavam fazer de Carlos Magno imperador de todo o mundo cristão, incluindo Bizâncio, a fim de lutar contra a heresia iconoclasta e de estabelecer a supremacia do Pontífice romano sobre toda a Igreja."

 

Jacques Le Goff, A Civilização do Ocidente Medieval, Ed. Estampa

 

Publicado Por Cíntia Pontes às 17:06
Link do Post | Comentar | Ver Comentários ' (2) | Adicionar Aos Favoritos '
|
Sábado, 10 de Janeiro de 2009

ACONTECIMENTO - O incêndio de Roma

 

 

Deflagrou na noite de 18 de Julho de 64 d.C., no núcleo comercial da antiga cidade de Roma, á volta do Circo Máximo, um enorme e violento incêndio que lavrou durante cerca de sete dias. Nesse tempo governava o imperador Nero.

 

 

O incêndio devastou grande parte da cidade, principalmente os locais onde se encontravam localizados santuários, basílicas e templos que continham obras de arte, tesouros e documentos. As perdas humanas foram também elevadas.

Nero não se encontrava na cidade mas, após receber a noticia, regressou imediatamente a Roma e demonstrou uma enorme vontade em ajudar a população, ao abrir os seus jardins aos desalojados, mandando construir barracões para os abrigar, fazendo as cidades vizinhas fornecerem alimentos e equipamentos domésticos de socorro aos sinistrados.

No meio de toda esta grande confusão, muitos dizem ter visto escravos imperiais a atear o fogo e outros ainda afirmam ter visto o imperador, no alto da Torre de Mecenas, a assistir, vitorioso, ao incêndio. 

A indignação popular cresceu e o povo manifestou-se nas ruas contra Nero. Devido a isto, o imperador apressou-se a encontrar “responsáveis”, acusando os cristãos e iniciando um ciclo de perseguições e martírios, a que foram sujeitos até ao século IV a.C. Nelas morreram centenas de fiéis da nova religião, atirados ás feras nos circos; foi ele também que ordenou a execução dos Apóstolos São Pedro e São Paulo.

Logo a seguir ao incêndio, o imperador Nero mandou reconstruir o império segundo regras bem definidas e regulamentadas, construindo novas ruas, amplas e com traçados ordenados e abriu novos fóruns.  

 

Publicado Por Cíntia Pontes às 20:34
Link do Post | Comentar | Ver Comentários ' (1) | Adicionar Aos Favoritos '
|
Sexta-feira, 5 de Setembro de 2008

ACONTECIMENTO - A Batalha de Salamina (480 a.C.)

 

 

Após a morte de Dario, rei dos Persas, em 486 a.C., sucedeu-lhe Xerxes, seu filho, que com uma atitude imperialista pretendia continuar com o plano de conquistar as cidades da Ásia Menor e da Grécia continental.

Com o objectivo de conquistar a Grécia, Xerxes preparou um vasto exército com uma infantaria bem equipada e com 1207 barcos, em que a sua tripulação reunia persas, assírios, árabes, egípcios, lídios e indianos.

Entretanto formou-se a Liga de Delos constituída por várias cidades gregas como Atenas, Esparta e Egina que se uniram e preparam para oferecer resistência.

O exército de Xerxes, saindo da Pérsia, atingiu a margem do continente vizinho, passou o Estreito de Helesponto (antigo nome do estreito de Dardanelos na Turquia) e preparou-se para a conquista. Na passagem por Termópilas derrota os Espartanos e ao chegar á Península da Ática derrota também os atenienses e destrói grande parte da cidade de Atenas. Alguns atenienses conseguem fugir para a ilha de Salamina (Costa Ocidental da Ática, Golfo da Egina), onde se refugiam.

Temístocles (comandante chefe da frota ateniense), com grande astúcia, consegue atrair o exército de Xerxes para a zona de Salamina, pois pensava que aí seria fácil derrotá-los.

Xerxes e a sua armada entram no Golfo de Salamina, no dia 29 de Setembro de 480 a.C., onde os esperam cerca de 300 barcos gregos (trirremes), leves, ágeis e velozes, que os cercaram, deixando-os sem espaço para manobras.

Os gregos, apesar da diferença numérica em relação aos persas e do grande poder bélico deste povo, conseguiram vencê-los com inteligência, estratégia, coragem e velocidade.

Esta vitória e o fim das Guerras Persas garantiram á Grécia a sua independência em relação aos persas.

Atenas é considerada a salvadora da Grécia e assume a liderança e a hegemonia ao criar a Liga de Delos (478 a.C.).

A cidade foi reconstruída e assegurou a sua protecção com a construção de muralhas á volta do Porto do Pireu. No entanto, não conseguiu criar uma união pan-helénica e a rivalidade entre Esparta e Atenas revela ser a causa do fim da Grécia.

 

Trirreme grega

 

 

Publicado Por Cíntia Pontes às 20:23
Link do Post | Comentar | Adicionar Aos Favoritos '
|

« Mais sobre mim '

« Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

« Pesquise neste Blog '

« Posts Recentes '

« ACONTECIMENTO - A coroaçã...

« ACONTECIMENTO - O incêndi...

« ACONTECIMENTO - A Batalha...

« Arquivo '

« Março 2009

« Fevereiro 2009

« Janeiro 2009

« Dezembro 2008

« Novembro 2008

« Outubro 2008

« Setembro 2008

« Agosto 2008

« Julho 2008

« Junho 2008

« Maio 2008

« Abril 2008

« Março 2008

« tags

« todas as tags